Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Love and Other Disasters

Love and Other Disasters

IMTT

Faz hoje duas semanas desde que fiz o meu requerimento no IMTT sobre o problema da escola de condução (de que já falei aqui).

Quando lá estive perguntei quanto tempo demorava a ter resposta, disseram-me "é rápido", eu perguntei "quão rápido?" e disseram-me "bastante rápido".

Bem, cá estamos nós duas semanas depois a pensar que eu e o IMTT não temos claramente a mesma noção de "rápido".

Já liguei para o número de apoio do IMTT mas dizem-me que tenho que ligar mesmo para o centro onde fui atendida, ando desde a semana passada a ligar para lá mas atender o telefone não é coisa que os assista, nitidamente.

Parece-me que terei que ir perder mais uma manhã para o IMTT para tentar perceber se já tenho resposta...

Razões porque Portugal funciona mal

Em Fevereiro tive que passar um recibo de acto-único, tinha algumas dúvidas e fui às finanças. A senhora que me atendeu não sabia muito sobre o assunto e não soube tirar-me as dúvidas que tinha. Eis que resolvo ligar para as finanças e perguntar, tenho uma resposta totalmente diferente do que a senhora das finanças me tinha dado. Agora sim, não sei mesmo o que fazer com as informações totalmente contraditórias. Resolvo ir novamente às finanças e tenho uma terceira resposta que é diferente das outras duas. Pergunto-me como é que numa coisa tão simples como um recibo podem existir tantas respostas diferentes e como é que os três indivíduos das finanças que me atenderam não se entendem?

 

Ontem descubro que a escola de condução onde ando abriu falência. Ligo para o IMTT para saber o que fazer e dizem-me que como a escola de condução abriu falência a culpa não é minha e basta-me ir ao IMTT pessoalmente e eles transferem-me para outra escola. Hoje vou ao IMTT (onde fico à espera 2h) e dizem-me que não, que não fazem transferências, que o problema é meu e que tenho que pagar de novo. Quando insisto que não foi isso que me disseram por telefone a senhora que me está a atender diz que eles não fazem transferências mas para eu fazer um requerimento a expor a minha situação e "pode ser que tenha sorte".

 

Quando os serviços públicos não se conseguem entender entre si como é que é suposto que o cidadão comum consiga resolver alguma coisa?

Coisas que só acontecem no metro

Ia eu ontem com o meu irmão, no metro para ver o The Hobbit, numa daquelas nossas conversas que tanto irritam os meus pais.

Ele vira-se para mim e diz: Ali naquela estação está escrita uma frase em que dizem «tão somente»

Eu: E...?

Ele: Nem sei o que isso quer dizer, é um bocado complicado, não?

Eu: Quer dizer "apenas".

Ele: Então porque raio não escrevem só "apenas"? É mais fácil para as pessoas perceberem...

Eu: Porque aquilo é uma frase de um autor, não podem mudar.

Ele: Mas é de um autor português?

Eu: Sim...

Ele: Mas porquê é que o autor não usa "apenas", era muito mais fácil. Que mania de complicar.

Eu: Espera-se que os autores utilizem um vocabulário que passe o básico..

 

E lá continuávamos nós nesta conversa da treta, com o meu irmão a insistir no "apenas" e a parecer um miúdo na idade dos "porquês", quando reparo que o rapaz à nossa frente está a rir e já não consegue mesmo disfarçar. Logo, eu parti-me também a rir. O meu irmão aí percebeu que estava claramente a ser gozado por um rapaz que não conhecia de lado nenhum e ficou um bocado embaraçado.

Resultado?

Passou o resto da noite a dizer-me "Vai lá buscar o teu amigo do metro para se rirem mais um bocadinho de mim, isso teve piada".